quinta-feira, 17 de julho de 2008

... a ria



ria de Aveiro
não podes secar
deixa-me primeiro
atravessar.
sei que alguém
me espera na outra margem
sei que vem
não é apenas uma miragem.

deixa-me nadar
até ao meu destino
não me permitas afogar
a meio do caminho.
pois sei que alguém me espera
e, quem me dera,
que sejas tu que não esqueço
tu por quem não esmoreço.

que o sol não te faça desaparecer,
que a lua não te leve para longe de mim,
que o nevoeiro não me impeça de te ver,
que a chuva pare de cair, enfim.

que a gente se encontre a meio da ria,
que o nosso calor aqueça a água fria,
mostremos a todo o mundo que nos amamos,
enquanto a meio da ria dançamos.

(autor desconhecido)

3 comentários:

Sandra Daniela disse...

Passo pela ria todos os dias... passo muitas vezes sem lhe dar atenção... Mas há dias que olho-a com os "olhos do coração", e eis que sinto um nó no estomâgo, de pensar que se um dia acordasse e ela já não estivesse ali....

Anónimo disse...

Cheguei agora a Aveiro...com este calor...a conduzir...mas cheguei! Já fui até à praia...estive uma semana longe daqui...e já tinha saudades! Saudades da cidade, da ria, das pessoas...enfim! Nasci e fui criada à beira da Serra da Estrela, estou aqui desde Outubro...mas parece que nasci aqui! Já não consigo viver sem...Aveiro, o mar, a ria! Gostei muito do que li...muito mesmo...fantástico...se foste tu Ricardo...parabéns! Um beijo...............Rita Mendes..........................

Andréa disse...

Que lindo!!!
A ria de Aveiro é mesmo fantástica!!
Beijos!!